Manutenção

Resultado de imagem para manutenção

Prezados,

O PET História UFS informa que o site está passando por um processo de alteração e reorganização tanto visual quanto estrutural. A fim de proporcionar melhor navegação, bem como melhor visualização das postagens.

A alteração se dá necessária para que sejam corrigidos eventuais erros e que o site se adeque cada vez mais como um canal de comunicação oficial do Programa de Educação Tutorial de História da UFS.

Portanto, pelos próximos dias o site poderá ficar instável ou com abas e páginas ausentes.

Informamos ainda que em decorrência do IH! 2018, para evitar falhas de comunicação com os participantes, as postagens relacionadas ao evento estão sendo disponibilizadas em duas abas diferentes. Acima do cabeçalho, e abaixo do mesmo.

Agradecemos a compreensão.

 

Matheus Carvalho.

PET História UFS.

Programação Geral IH! 2018

logo IH 2018 - capa facebook

Informamos aos participantes do VII Encontro de Pesquisadores Iniciantes das Humanidades que  a relação dos GTs, bem como, o cronograma geral do evento, já encontram-se disponíveis para consulta. Os inscritos poderão conferir em que Grupo de Trabalho, horário e local, apresentarão suas comunicações, clicando aqui. A programação geral com as informações sobre a Conferência de abertura e as mesas redondas podem ser vistas aqui.

Lembramos que a conferência de abertura será realizada no dia 24 de julho de 2018, a partir das 18h30min, no auditório da BICEN. Desta forma, a presença de todos se faz importante, visto que, nesta ocasião, ocorrerá também o credenciamento do evento.

Pedimos que, caso haja erro no seu nome, título da comunicação ou qualquer outro problema, entre em contato com a comissão organizadora através do e-mail: ih.humanidades@gmail.com.

Vamos juntos fazer mais um IH!

Comitê Técnico-Científico IH! 2018

logo IH 2018 - capa facebook

Confiram abaixo a lista do comitê técnico-científico do VII Encontro de Pesquisadores Iniciantes das Humanidades:

 

  • Prof. Dr. Claudefranklin Monteiro Santos (DHI/UFS).
  • Prof. Dr. Milton Araújo Moura (UFBA).
  • Prof. Dr. Severino Vicente da Silva (UFPE).
  • Prof. Msc. Anselmo Ferreira Machado Carvalho (IFES – Lagarto).
  • Prof. Dr. Dilton Cândido Santos Maynard (DHI/UFS).
  • Prof. Dr. Paulo Heimar Souto (DED/UFS).
  • Prof. Dr. Lucas Miranda Pinheiro (DRI/UFS).

 

VII IH!

 

perfil-facebook

CONVOCATÓRIA VII IH!

 

A Comissão Organizadora do Encontro de Pesquisadores Iniciantes das Humanidades informa sobre a realização da sétima edição do evento que ocorrerá entre os dias 24 e 26 de julho de 2018.

O evento visa contribuir para o aperfeiçoamento das pesquisas de graduandos e mestrandos na área de Ciências Humanas através do intercâmbio de metodologias e resultados, estimulando a produção acadêmica e buscando uma maior projeção dos trabalhos realizados por pesquisadores iniciantes.

Nesta edição, as comunicações apresentadas nos GT’s, seja resumo ou trabalho completo, serão publicadas na Revista Eletrônica do PET História, que será lançada no mês de novembro do corrente ano. Confira abaixo o cronograma com as datas de cada etapa:

tabela

O IH! 2018 oferece duas modalidades de participação: como ouvinte ou como apresentador de comunicação. O ouvinte somente deve enviar a ficha de inscrição para o e-mail ih.humanidades@gmail.com, informando em um campo específico da ficha o seu interesse em participar apenas como espectador. Para se inscrever como apresentador de comunicação, o participante precisa enviar ainda no prazo das inscrições o resumo da sua pesquisa (dentro das normas para submissão de trabalhos), bem como a ficha de inscrição devidamente preenchida, para o e-mail oficial do evento.

Fique atento ao nosso site http://pethistoriaufs.org/ e à página do VII IH! no Facebook https://www.facebook.com/IHencontro/?ref=bookmarks para acompanhar todas as informações sobre datas, regras e programação do evento. Em caso de dúvidas, entrar em contato via ih.humanidades@gmail.com.

Para ter acesso à ficha de inscrição, clique aqui.

Para ter acesso às normas para submissão de trabalhos, clique aqui.

Para ter acesso ao modelo de resumo para submissão, clique aqui.

Para ter acesso ao modelo de trabalho completo para submissão, clique aqui.

VI Oficina de Nivelamento

31898256_1739416789448709_4572966308433362944_n

O PET História promoveu, nos dias 23 e 24 de maio, a sexta edição da Oficina de Nivelamento com o objetivo de contribuir com a vida universitária de calouros e demais discentes. Foram ministradas oficinas pelos PETianos quanto à utilização das regras básicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), o uso dos recursos do Power Point e PREZI para organização e exposição de seus trabalhos. Também, contamos com a presença do Prof. Dr. Carlos Malaquias, o qual ministrou uma oficina acerca da confecção de trabalhos acadêmicos (fichamento, resumo, resenha e artigo).

Gostaríamos de agradecer a presença de todos e frisar a importância de respeitar as regras éticas na produção de trabalhos científicos.

Para melhor entendimento dos ouvintes, estamos disponibilizando o material utilizado para a exposição das oficinas nos seguintes links.

Apresentação ABNT: aqui.

Apresentação PowerPoint: aqui.

Apresentação PREZI: aqui.

Apresentação Prof. Carlos Malaquias: aqui.

 

Acolhimento de História 2018.1


Olá, estudantes de História!

Convidamos a todos para participar do Acolhimento de História 2018.1 que ocorrerá nos dias 23 e 24 de abril. O evento é uma realização do Departamento de História em parceria com a PROGRAD, PROEX e PROEST.

Sabemos que a vida universitária envolve uma série de questionamentos e expectativas. Com este Acolhimento pretendemos ajudá-lo (a) a esclarecer o máximo de dúvidas possíveis e descobrir algumas das muitas possibilidades que a UFS pode oferecer. Por isso, nesta edição, a recepção será aberta para todos os alunos do curso.
Para maiores informações, entrem em contato conosco através do e-mail petufshistoria@gmail.com e confiram a programação do evento clicando aqui.

Dica de Filme: Hércules (1997)


Hércules

 

Jéssica Feitosa dos Santos¹

     Hércules é um longa-metragem produzido pela Walt Disney no ano de 1997, dirigido por John Musker e Ron Clements. Tornou-se o primeiro desenho animado da Disney a se inspirar em mitologia, diferente de todas as temáticas já lançadas.

     O filme conta a história do herói grego Hércules, filho de Zeus, o deus dos raios e principal divindade do Monte Olimpo – local de morada dos deuses. De modo cômico, a trama relata como Hércules sobrevive a uma tentativa de assassinato feita a mando de Hades, deus do submundo e antagonista da história, porém, no processo acaba perdendo a sua essência divina, tornando-se um mortal dotado de uma força sobre-humana.  Adotado por uma família comum, o personagem cresce desconhecendo a sua verdadeira origem. Ao chegar na adolescência, Hércules descobre sobre o seu passado e assim inicia-se a narrativa do herói em busca de redenção – no caso, o retorno para junto da sua família celeste.

     Diferente do que é contado na animação, o personagem não nasceu no Monte Olimpo, mas sim na terra, fruto do relacionamento de Zeus e Alcemna, uma mortal – era um “costume” deuses se envolverem com mortais em algumas das suas passagens entre os comuns. Hércules, provem do grego “Heraklês” (‘Hera’ de deusa Hera e ‘kléos’ de glória), sendo a personificação do esforço e do trabalho, pois, como um semideus, esse necessitava demonstrar o seu valor.

     Apesar de não seguir fiel à lenda original, a película exibe de forma lúdica a temática da mitologia grega, simplificando um conteúdo mais denso para um público jovem. Dessa forma, o filme Hércules traz representações e características do mundo grego para crianças, tornando possível abordar temas como arquitetura, cultura e política na Grécia Antiga.


¹Graduanda em Licenciatura em História pela Universidade Federal de Sergipe. Bolsista pelo Programa de Educação Tutorial do Departamento de História – PET História UFS. E-mail: feitosajessica14@gmail.com

 

Dica de Filme: Ele Está de Volta (2015)

 

wp-1468883349100

Ludmila Guerra da Silva¹

 

     Baseado no livro de mesmo nome, do autor Timur Vermes, Ele Está de Volta (do original Er ist wieder da) é um filme alemão produzido pelo diretor David Wednt, lançado em outubro de 2015 (no Brasil em abril de 2016). A trama ficcional, sobre como seria a volta de Adolf Hitler nos dias atuais, tem nos papéis principais um elenco composto por atores como Oliver Masucci, Fabian Busch e Katja Riemann.

     Nessa sátira, o enredo se inicia com o despertar de Hitler em 2015 sem memória do que aconteceu após a 2ª Guerra Mundial e, abismado com as mudanças na Alemanha, pauta seus objetivos na continuidade de planos supremacistas do Terceiro Reich. Assim, por conta de suas opiniões ácidas, acaba sendo confundido com um humorista politicamente incorreto que passa a ganhar adeptos na sociedade alemã e reconhecimento nos meios midiáticos. A partir disso, a narrativa torna-se ainda mais preocupante quando vemos cenas reais de alemães reproduzindo discursos preconceituosos pautados em um senso comum.

    A principal problemática da película é justamente o esquecimento da História e do passado obscuro da Alemanha nazista que desencadeia na ascensão da extrema direita. E apesar de basear-se na realidade de um país, a crítica ao conservadorismo se faz necessária no contexto mundial, visto que os direitos de minorias vêm sendo ceifados por discursos de ódio e atitudes segregacionistas. Outra questão abordada é a xenofobia ou repulsa aos imigrantes, que implica na crise dos refugiados tão presente em notícias do nosso cotidiano, influenciada diretamente por representante políticos com ideais reacionários e nacionalistas.

     Diante desse cenário, o papel dos historiadores é de suma importância para que o passado esteja sujeito a críticas e, consequentemente, as tragédias não sejam repetidas. Logo, é necessário um cuidado com os discursos públicos visto que estes exercem poder de influência na cultura de massa, tornando-se veículos de disseminação de ideologias. O filme é, então, uma boa ferramenta para o ensino de História ao abordar o desenvolvimento do conservadorismo e a legitimação das concepções políticas na sociedade.


¹Graduanda em Licenciatura em História pela Universidade Federal de Sergipe. Bolsista do Programa de Educação Tutorial do Departamento de História – PET História UFS. E-mail: ludlu_guerra@hotmail.com
 

Resenha do livro “Orgulho e Preconceito” de Jane Austen

orgulho_preconceito_lpm

Mirela Souza Silva¹

     “É uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro de posse de uma bela fortuna deve estar à procura de uma esposa.”

     É com essas palavras que Jane Austen inicia Orgulho e Preconceito publicado em 1813. Uma das escritoras mais famosas do mundo, Jane desafiou as convenções sociais ao criticá-las pelas entrelinhas, pontuando seu livro com toques de humor que só uma observadora perspicaz e uma brilhante escritora poderia unir. Seus recursos de linguagem tinham um alvo específico: a sociedade provinciana inglesa do século XVIII.

     Orgulho e Preconceito, livro mais conhecido da escritora, traz uma série de personagens inesquecíveis e um enredo memorável. Austen nos apresenta o lar dos Bennet, família com não menos que cinco noivas em potencial: Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia, tendo Elizabeth como heroína irresistível e seu pretendente aristocrático, o sr. Ftzwilliam Darcy. O enredo aborda múltiplos aspectos: orgulho contra o preconceito e a ascendência social, equívocos e julgamentos que conduzem alguns personagens ao sofrimento, porém também os levam ao autoconhecimento e ao amor.

     Neste livro, Jane Austen faz uma crítica à futilidade das mulheres do século XVIII na voz de Elizabeth Bennet. A história mostra como ela lida com os problemas relacionados à educação, cultura, moral e casamento na sociedade aristocrática.

     Portanto, o livro pode ser considerado a obra-prima da escritora que, com sua refinada ironia, equilibra comédia e seriedade a uma observação meticulosa das atitudes humanas, desafiando os padrões impostos pela sociedade inglesa daquele período. Segundo o crítico literário Harold Bloom, “os livros de Jane Austen passaram para a posterioridade juntamente com os clássicos de William Shakespeare e de Charles Dickens.”

Referência Bibliográfica: AUSTEN, Jane. Orgulho e preconceito. Tradução de Lúcio Cardoso. São Paulo : Abril Cultural, 1982.


¹Graduanda em Licenciatura em História pela Universidade Federal de Sergipe. Bolsista pelo Programa de Educação Tutorial do Departamento de História – PET História UFS. E-mail: mirella.souza.2093@gmail.com

 

Dica de Filme: A Duquesa (2008)

duquesa

Mirela Souza Silva¹

     A Duquesa é um filme britânico, lançado em 2008. Drama histórico dirigido por Saul Dibb, o longa-metragem foi vencedor do Oscar de melhor figurino. A película é baseada no livro de Amanda Foreman, que relata sobre a vida da aristocrata inglesa do século XVIII Georgiana Cavendish, duquesa de Devonshire. A produção conta com um elenco de peso formado por: Keira Knightley (Georgiana Cavendish); Ralph Fiennes (William Cavendish); Hayley Atwell (Elizabeth Foster); Charlote Rampling (Margaret, mãe de Georgiana); Dominic Cooper (Charles Grey).

     Ambientado na Inglaterra do Século XVIII, o filme faz uma crônica da vida de Georgiana Spencer, que foi vítima da calunia e injúria por causa do seu comportamento extravagante tanto âmbito público quanto no privado. A personagem se destaca por sua beleza e pelo seu estilo de vida, participando ativamente das campanhas políticas e estando sempre rodeada pela classe artística.  Assim, é de fácil percepção que o filme possui em si um forte viés feminista ao tratar a questão do papel da mulher na sociedade. A duquesa se sobressai por fugir dos padrões da época, apresentando empoderamento com relação às falhas do seu casamento, além de apoiar as revoluções americana e francesa.

     Desta forma, o enredo não é só uma história romântica, mas avança para uma denúncia e crítica do papel da mulher e, consequentemente, suas limitações ocasionadas por fatores históricos, sociais e ideológicos. Georgiana rompe com as limitações de sua época, quebrando as regras impostas pela sociedade patriarcal do seu período. Portanto, o filme A Duquesa auxilia o espectador a refletir a cerca de importantes questionamentos ainda latentes no nosso tempo.


¹Graduanda em Licenciatura em História pela Universidade Federal de Sergipe. Bolsista pelo Programa de Educação Tutorial do Departamento de História – PET História UFS. E-mail: mirella.souza.2093@gmail.com

 

1 2 25