Lançado em 2003, dirigido e roteirizado pelo dinamarquês Lars Von Trier, Dogville é um filme do gênero Drama que desde seu lançamento tem recebido as mais diversas críticas.

Ambientado durante a década de 1930, a película se passa durante a Grande Depressão, período no qual os Estados Unidos estavam em uma intensa crise downloadeconômica e sofrendo com uma massiva criminalidade realizada por gângsteres. A história acompanha Grace (Nicole Kidman), uma mulher misteriosa que chega à isolada Dogville, uma cidadezinha localizada nas montanhas do Colorado. Ela está sendo perseguida por mafiosos, porém é ajudada por Tom (Paul Bettany). Os habitantes da cidade concordam em escondê-la de seus perseguidores, mas ela deverá realizar diversos trabalhos para a população em troca de sua permanência. Com o passar do tempo, entretanto, os moradores começam a abusar de seu trabalho.

Essa obra foge do cinema tradicional, pois Von Trier é um dos fundadores de um manifesto cinematográfico conhecido como “Dogma 95”. Os criadores do Dogma buscaram fugir do cinema que eles julgaram “comercial”. Logo nas primeiras cenas podemos ver que ele não é um filme convencional, tirando alguns poucos móveis e objetos, a cidade toda é feita por linhas no chão, que marcam as casas e os cômodos.

Dogville é a primeira parte de uma trilogia de filmes com o intuito de expor as incongruências políticas, econômicas, culturais e sociais dos EUA (Dogville em 2003, Manderlay em 2005 e Washington que não tem previsão), deixando claro o juízo do diretor, que reprova a interpretação de que favores devem ser essencialmente pagos.

A mensagem que Dogville transmite é a de que se deve fazer o bem desde que se receba o bem, nada de amor incondicional ao próximo ou doação voluntária, uma deturpação ocidental do que é de fato o altruísmo. Essa interpretação só se assevera quando percebemos que a ajuda de Grace é visivelmente irrelevante para muitos. Ou seja, o raciocínio predominante é: “não devemos nada à moça, só ela a nós. Deixemos que pague com trabalho, mesmo que de nada precisemos com urgência. Tomemos seu tempo com mesquinharias, afinal, nada nesse mundo é de graça”.

Essa polêmica obra cinematográfica ainda aborda temas como escravidão, a aceitação do outro e as relações de trabalho e poder, o que a torna uma boa ferramenta para se analisar como funcionam esses e outros aspectos da sociedade moderna ocidental.

 

Fonte: Disponível em: http://literatortura.com/2013/11/dogville-resenha-de-uma-obra-prima-contemporanea/. Último acesso 15/05/2015 às 13:00h. 

Confira algumas cenas do filme clicando na imagem acima.

No TweetBacks yet. (Be the first to Tweet this post)