Os carrascos voluntários de Hitler: O povo alemão e o Holocausto

  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Delicious

Thaís da Silva Tenório
Graduanda em História pela Universidade Federal de Sergipe
Bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET/FNDE/MEC)
Integrante do Grupo de Estudos do Tempo Presente (GET/CNPq/UFS)
Orientador: Prof. Dr. Dilton Maynard (DHI/UFS).
E-mail: thais@getempo.org

Após a Guerra Fria a Alemanha passou por um processo de reabilitação. A partir daí originou-se a ideia dominante de que o nazismo foi como uma força externa que obrigou o povo alemão a agir contra os judeus.  Daniel Jonah Goldhagen, em seu livro Os carrascos voluntários de Hitler: O povo alemão e o Holocausto – lançado em 1996 pela editoradownload Companhia Das Letras – discorda desse pensamento, trazendo ao leitor fatos que documentam a adesão de boa parte do povo alemão na humilhação e extermínio dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Daniel Jonah Goldhagen, nasceu 30 de Junho de 1959 Boston – Estados Unidos. Goldhagen é ex-professor da Universidade de Harvard do núcleo de ciências politicas e estudos sociais. Sua tese de doutorado deu origem a presente obra a ser analisada, recebendo o prêmio Gabriel Almond de 1994 conferido pela Associação Americana de Ciência Politica. Ficou conhecido após escrever obras polêmicas como Os carrascos voluntários de Hitler: O povo alemão (1996) e A Moral Reckoning (2002). Goldhagen também escreveu Worse Than War (2009), onde ele examina o fenômeno do genocídio.

A obra é dividida em 16 capítulos, que estão subdivididos em seis partes, onde na primeira o autor procura entender as crenças e valores da cultura alemã, dando ênfase aos que diziam respeito às atitudes desse povo para com os judeus. A segunda parte discorre a respeito das formas de tortura e extermínio dos judeus, como também enumera as instituições que comandavam tais operações. A partir da terceira parte até a quinta o autor se dedica a discorrer sobre os órgãos que aplicaram os assassinatos em massa (batalhões policiais, campos de concentração e marchar da morte). Por fim, a sexta parte o autor explora tanto o caráter do antissemitismo eliminacionista como também volta sua atenção para teorias – as quais ele considera que são falhas e inadequadas – que tentam explicar as ações dos perpetradores (agentes do Holocausto).

 Em seu livro, Goldhagen, afirma a ideia de que é um equivoco responsabilizar apenas Hitler ou aos nazistas pela morte de 6 milhões de judeus durante o Terceiro Reich. Da mesma forma como se atribui aos “americanos” as mortes de vietnamitas na Guerra do Vietnã, o autor acredita que a população alemã em sua maioria é responsável pela morte de judeus entre 1933 e 1945. Todavia, o escritor reconhece que na década de 30 nem todos os alemães foram anti-semitas, ele afirma que esse era o caso da imensa maioria da população na época e que os estimados 300 mil participantes ativos do Holocausto agiram de vontade própria e com apoio total de seus compatriotas. Para o autor, os alemães só foram coniventes e contribuíram com o regime nazista porque em seu íntimo acreditavam na ideologia de raça superior, e que os judeus eram culpados por todos os momentos ruins da Alemanha.

A obra trabalhada é bem escrita, apesar de apresentar algumas repetições, tanto de termos como de ideias, o que pode levar a um leitor que não seja tão assíduo pelo assunto ao cansaço. O livro mostra uma novidade ao escrever sobre as motivações dos carrascos, o que levou os perpetradores a cometerem atos de crueldade contra mulheres, crianças e idosos. A obra é extensa, com um pouco mais de 600 páginas, Daniel Jonah Goldhagen trabalha minunciosamente aspectos sobre o antissemitismo na Alemanha, até durante e depois do Holocausto, e as feridas que tal evento deixou na sociedade Alemã.

O livro pode ser manuseado por pesquisadores que se interessem em aprofundar seus conhecimentos acerca do Holocausto, como também entender como surgiu, ou de onde veio às raízes do sentimento antissemita na Alemanha. É também indicado para curiosos, estudantes e estudantes da área de humanas.

Ao ler a obra, o leitor poderá entender um pouco mais sobre esse trágico fato que afetou não só os judeus, mas como toda a Alemanha, marcando para sempre esses dois povos.

Referência bibliográfica:

GOLDHAGEN, Daniel Jonah. 1999. Os carrascos voluntários de Hitler: o povo alemão e o Holocausto. 2ª ed. Trad. Luís Sérgio Roizman. São Paulo: Companhia das Letras.

No TweetBacks yet. (Be the first to Tweet this post)

Share and Enjoy

Esta entrada foi publicada em Atividades, Livro da Semana, Publicações e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>